16.7.10

Há lixo por todos os lados. Há lixo em tudo que eu vejo...

A sujeira varrida para debaixo do tapete de palácios e casas do povo toma conta das ruas de Cuiabá e Várzea Grande.

Gostaria de falar de flores, como a frase original sugere. Mas caminhar pelo centro da cidade ontem a noite me causou uma tristeza e provocou uma reflexão sobre vários aspectos. O motivo: a quantidade de lixo acumulado em frente a lojas, estabelecimentos comerciais e algumas poucas casas, além do que já se espalha nas calçadas, praças e pontos de ônibus. O quadro é a representação da deficiente coleta de lixo em Cuiabá e Várzea Grande.

Ironicamente, a quantidade de lixo que mais me chamou a atenção se acumulava justamente na praça em que é realizado o Festival das Flores todo ano. A noite fria contrastava tanto com a sujeira ali que foi inevitável não pensar em como, então, estão os bairros, principalmente os mais afastados.

No caminho, continuei observando o reflexo e as proporções que tomaram o não entendimento entre as partes. No caso a empresa Qualix, empresa responsável pela coleta, e o poder público. O contrato com a Qualix termina dia 12 de agosto e uma nova empresa precisa ser definida até lá. O edital para a escolha foi impugnado devido a falhas.

O problema só se agrava. Bairros e moradores já estão reclamando do mau cheiro e da quantidade de lixo amontoado. O sujo centro de Cuiabá é obviamente percebido por quem vem de fora e não consegue entender o que está acontecendo. Aliás, é essa pergunta que quero fazer para quem quiser ouvir.

Há quem sugira uma intervenção do Ministério Público para uma resolução necessariamente rápida. Pois o caos tende a ficar pior, se é que é possível. A paralisação total de ontem, por exemplo, aconteceu porque os caminhões não tinham combustível para saírem do pátio da empresa.

Palavras como desprezo, descaso, desinteresse são tão ínfimas, tão clichês para apontar o que todos sabem e sentem: revolta, outro sentimento que acaba sendo banalizado diante de tanto desprezo, descaso, desinteresse...

A leitura que fiz da situação é extremamente generalizada. Deixo a quem possa interessar outras reflexões sobre, por exemplo, as doenças, moscas e outros bichos que o lixo que só acumula pode trazer. Sem falar nos terrenos baldios, normalmente sujos, que agora ficarão e já estão mais emporcalhados com o lixo que não tem onde ser depositado.

Em tempos em que uma sociedade discute tanto sobre impactos ambientais, lixo, problema com poluição, conscientização e sustentabilidade, retrocede anos luz em situações como essas. O problema com a coleta capenga tem promessa de resolução, e assim esperamos! Quem irá arcar com os efeitos sociais? Aqueles que dispensam apresentações e textos.

ps.: a ausência de fotos é proposital! É só andar pelas ruas da cidade para entender o retrato!

Por Dayane do Nascimento, que ainda espera ardentemente poder escrever sobre flores. Na expectativa de que a visão triste, grotesca e suja seja apenas efeito de uma noite fria em terras quentes

2 comentários:

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Rodrigo Rocha disse...

Daya passei para conhecer seru blog ele é not°10, show, espetacular, com excelente conteúdo você fez um ótimo trabalho desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
Um grande abraço e tudo de bom